QUEM FOI E QUEM É CLAUDIA NOBRE DEPOIS DOS 40 ?


Minha adolescência foi bem complicada, tive essa fase durante a década de 80 e 90... uau... sou uma gorda sobrevivente, porque nesta época não havia esse empoderamento e aceitação, não só de pessoas fora do peso, mas como também sua opção sexual, liberdade de expressão... enfim, foi terrível... 

As pessoas se questionam ? Nossa mas com essa idade,  3 filhos,  ela larga tudo pra desfilar, ir à eventos, fotografar ?? Simmmm, hoje aos 43 anos realizo tudo aquilo que me faz sentir linda, plena, realizada... sabe porque minha gente, os filhos crescem e não lembram de nada que você abriu mão de fazer para estar com eles, eu ainda mãe de meninos, logo arrumam uma namorada e me deixam a ver navios nos finais de semana, seja prudente, divida seu tempo com sua família, mas pense em você... primeiro lugar Deus, segundo lugar sua família, e em terceiro lugar você... nunca esqueça de você !

Então voltando para minha adolescência...

Me afundei naquilo que me era proposto, vc não pode ter roupas e nem existe roupas para vc... isso mesmo gente, não existia essa gama de marcas que proporcionam ao gordo (vamos dizer assim e aprender que a palavra gordo ou gorda não é xingamento), ser estiloso, usar peças que os magros também usam, um justinho, ou uma sainha, enfim, não existia. O que me restava então era mergulhar em camisetas GG masculina que eram vendidas em pacotes com três unidades em supermercados, alguém se lembra disso ?, então, fotos dos meus 14, 15, 16, 17, 18 anos, claro que era sempre com a mesma calça Jeans, a única marca que fabricou o número 48 na época, foi a Carmin, que relativamente ao meu bolso, ou melhor, no bolso dos meus pais era totalmente inviável, resumindo era a mesma calça e as camisetas de mercado... Ai fui crescendo e aos 23 anos resolvi me casar, meu primeiro casamento, onde a saga ainda começava a ficar pior, onde encontrar um vestido de noiva fora dos padrões ? Eu e minha tia Ana, sempre muito minha companheira, rodamos como loucas na rua São Caetano no centro de São Paulo, uma rua extensa e famosa, onde encontra-se vestidos de noiva de vários modelos e tamanhos... hoje em dia, porque na minha época não tinha o meu tamanho... foi tenso. Primeiro aluguel com as minhas medidas era uma fortuna, então fora de cogitação, milagrosamente em uma certa loja, uma gorda abençoada, havia se casado há um mês antes da minha procura, e me deram o dela pra que eu experimenta-se, e não é que tínhamos o mesmo corpitcho kkk, mas o sonho do branco, teve que ser trocado pela cor rum... exatamente isto, aquela noiva havia mandado fazer um vestido lindo em pedrarias, mas a cor rum, um pérola bem escuro, na qual foi uma afronta aos meus pais que almejavam o branco, ainda bem que hoje isso também mudou... aleluia ! Passaram-se anos, me separei kkk, mas continuava andando feito uma marmota, porque roupas ? onde elas estavam ? Ainda não existia uma saída...

As coisas começam a mudar...

Me casei novamente em 2011, e lembro-me que uma das poucas lojas que já supria a necessidade das gordinhas, era a Program Moda e a Palank, mas ainda achava pouco, porque pra minha numeração até que resolvia, mas e pras numerações maiores ? Esse leque ainda estava restrito até a numeração 50 no máximo. E olhe lá :(

E durante essa caça a moda plus

Foi em 2014 que engravidei, mas infelizmente fui acometida de um aborto retido devido ao diagnótico de trombolifia, através desta perda gestacional criei um Instagram onde tratava sobre esta pauta, e conversava muito com as mãezinhas que tinham o mesmo diagnóstico que o meu, foram muitas conversas no direct consolando e sendo consolada por seguidoras que me acompanham até hoje, então digo que meu número de seguidores cresce a cada dia, porque tudo começou aí, nesta perda terrível. Mas após tratamento e 478 picadinhas de amor na barriga de enoxoparina, o Théo veio ao mundo em 20.05.2016. Glórias a Deus por isso.

Após o nascimento, o drama por roupas...

Após o nascimento do meu príncipe , eu estava vestindo a numeração 52, mas na verdade quase andando de lençol pelas ruas, pois não sabia onde poderia encontrar. Comentei com meu marido essa minha insatisfação e ele me deu a ideia de procurar na internet lojas ou feiras de moda plus size, amei a ideia e corri pra fazer isso... AAAA fica a dica, se seu marido ao invés dessa idéia mandar vc parar de comer, por favor mude de marido, sim, mude, porque aquele que ama de verdade te ama do jeito que você é, não que vc não precise melhorar, claro, a melhora é sempre bem vinda, mas ela não acontece da noite pro dia, e a melhor coisa nesse momento é estar com alguém que ame cada pedacinho seu.

Uma luz no fim do túnel e uma das melhores coisas que aconteceu em minha vida...

Nesta pesquisa, encontrei um evento que seria no mês de junho, chamado POP PLUS, aaaaa minha gente, a partir deste junho de 2016 virei uma nova mulher... o que era aquele evento ?? será que eu havia morrido e estava no céu cheia de companheiras plus size, mulheres guerreiras e empoderadas, cheia de stands com as melhores marcas, preços acessíveis, claro que gastei todo meu ordenado daquele mês, mas pagaria cada centavo novamente, peças modernas, criada por estilistas que não pensaram só no designer das roupas, mas no conforto que ela proporcionaria. Em setembro do mesmo ano já estava eu la novamente, conheci a minha fada madrinha, a criadora desse evento Flávia durante, que também tem a mesma idade que a minha, é comunicadora, DJ, empresária e como já mencionei, fada madrinha de muitos plus. Entre bate papo e visita a todos, exatamente todos os stands, fui conhecendo todas as marcas, blogueiras do meio, you tubers, e me senti tentada a criar peças também, trabalhar com roupas, mas isso requer tempo, investimento financeiro, uma vida dedicada somente pra isso, e o que já não é a realidade pra mim. Enfim, fui incentivada pela mesma, a ser uma divulgadora do mundo plus, já que eu não calo a boca e adoro ser fotografada. Abracei a idéia da Flávia e reverti minhas seguidoras de trombofilia, em minhas seguidoras desse meu novo projeto, que abrange moda, auto estima e grande parceiros. Mas a alavancada e a conquista desse título de fashionista plus size, ocorreu em 18/08/2017, quando ao amanhecer, me deparei com uma matéria na Uol, onde Flavia Durante consagra as 10 fashionistas plus size e acima dos 30 anos para seguir e se inspirar...

Morri

Desde então fui evoluindo, conquistei parcerias com algumas marcas e empresas que apostam em minha visibilidade, cada seguidor um brinde, um a um, devagarzinho, comecei com 1600 e com os eventos e parcerias cheguei a 6000, quero muito chegar aos 10000, mas isso requer muito suor, muita conquista, cada foto que posto vibro a cada curtida, pois sei que são pessoas que admiram meu esforço, porque gente, não é fácil com 3 filhos, casa, marido, trabalho, manter esse pique pra fotos e agora começo um novo ciclo de palestras e desfiles que jamais sonhei em chegar... Espero que estejam gostando, porque estou fazendo tudo com muito amor pra vocês.


ONDE TUDO COMEÇOU?